Tipos de doenças da coluna é tema de livro voltado para público geral

Uma das principais causas de afastamentos e aposentadorias por invalidez na Previdência Social, as dorsopatias (doenças da coluna) ganharam destaque em um livro independente produzido por 27 profissionais da saúde de diversos locais do País. A obra Hérnia de Disco e a Dor Ciática – Como Prevenir, Como Tratar, Como Conviver será lançada no dia 25 de fevereiro, às 19h, na livraria Cultura do shopping Casa Park, em Brasília (DF). O evento contará com palestra e sessão de autógrafos do autor e organizador da obra, fisioterapeuta Helder Montenegro, um dos maiores especialistas no tratamento da coluna vertebral do Brasil. A classificação é livre, com entrada franca.

Ao descrever de forma prática e objetiva os diversos tipos de doenças da coluna, suas formas de prevenção e tratamento, o livro Hérnia de Disco e a Dor Ciática tem como objetivo despertar o interesse da sociedade sobre o tema. O material, que conta com a participação de profissionais de fisioterapia, medicina e educação física, também tem a intenção de servir como ferramenta de consulta ao alcance de qualquer leitor, por meio de linguagem popular e ilustrações que simplificam o conteúdo.

O fisioterapeuta Helder Montenegro, presidente da Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna (ABR Coluna), explica que a intenção da obra é alertar a população para os riscos aos quais a coluna está sujeita. A relação de todas as doenças que acometem a coluna vertebral está contida nas 296 páginas da edição, assim como as diferentes possibilidades de tratamento, orientações e dicas de postura que podem ser facilmente aplicadas no cotidiano. A obra passou por Fortaleza (CE) e Juazeiro (CE), e seguirá para São Paulo (SP), Ribeirão Preto (SP), Goiânia (GO), Manaus (AM), Belém (PA), São Luis (MA), Teresina (PI) e Rio de Janeiro (RJ) até março.

“O livro traz informações acerca da anatomia humana, buscando a instrução maior das pessoas a respeito do seu próprio corpo. Uma vez bem informado, o indivíduo adquire um poder de decisão mais criterioso e com maior propriedade na hora de escolher um profissional que melhor o atenda e o tratamento mais eficiente para o seu caso particular.”, comenta Helder.

Participação de Brasília

Um dos assuntos abordados no livro é a perda progressiva dos movimentos causada pela Mielopatia, doença que compromete a medula espinhal. O conteúdo foi escrito pela fisioterapeuta e especialista em Coluna Vertebral, Ângela Lepesqueur, de Brasília.

“A ideia é oferecer mais informação ao paciente, desmistificando a gravidade ou não do problema de coluna, como esclarecer que a dor lombar é comum e que todas as pessoas provavelmente irão passar pelo menos uma vez na vida por esse fenômeno e que elas podem levar uma vida normal, independente de ter uma patologia na coluna.”, diz Ângela, que defende mais campanhas e ações para estimular a prevenção da população, principalmente, quanto à epidemia de hérnia de disco.

Causas do adoecimento

Dados do IBGE apontam que as dores nas costas são a terceira maior causa de aposentadoria e a segunda de licença ao trabalho. No Brasil, já são mais de 6,5 milhões de pessoas com hérnia de disco. Conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), 80% da população mundial terá um episódio de dor na coluna na vida.

Representante da Associação Brasileira de Reabilitação da Coluna (ABR Coluna) no DF, Ângela Lepesqueur explica que o alto número de aposentadorias e afastamentos causados por doenças da coluna estão diretamente ligados aos hábitos da vida moderna, como falta de exercícios e manutenção de posturas por longos períodos de tempo. Fatores como obesidade, sedentarismo, estresse e envelhecimento também podem favorecer o aparecimento de doenças causadoras de dores nas costas.

“As posturas mantidas por longos períodos de tempo, a falta de atividade física e de funções básicas como caminhar, vão fazendo com que as estruturas musculares fiquem mais tempo em tensionamentos e esse tempo prolongado deixa as estruturas mais suscetíveis a lesões. Então, os hábitos modernos, associados à falta de atividade física e a própria saúde em geral do indivíduo são fatores predisponentes para o aparecimento de dores cada vez mais comuns na coluna vertebral.”, alerta Lepesqueur.