Dessalinização da água do mar pode solucionar a falta de água potável

O intenso calor e a falta das chuvas têm deixado os brasileiros em estado de alerta em relação à falta de água. Cidades do país estão vivendo um momento de racionamento, enquanto outras sofrem com as torneiras totalmente secas. Com reservatórios e mananciais quase vazios, companhias de abastecimento afirmam que a situação é a mais grave em cerca de 20 anos.

O problema atinge também cidades da Região dos Lagos e Norte Fluminense, como Rio das Ostras e Macaé, onde, apesar da falta d’água não ser generalizada, alguns bairros já ficaram por mais de uma semana sem tê-la, sendo necessária a compra de carros pipa ou mesmo galões de água mineral.

Apesar de o Brasil ter um dos maiores potencias hídricos do mundo, possuindo 12% de toda a água do planeta, o consumo também é muito grande. E o problema aumenta com a escassez das chuvas. Segundo a AESBE (Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento), o brasileiro utiliza, em média, 150 litros de água por dia. No verão, há em geral aumento de 15% a 20% no consumo. Mas, no último ano, para amenizar o forte calor, usou-se até 30% a mais de água. Isso, sem registrar os vazamentos e fraudes nos hidrômetros, que em alguns estados somam a perda de mais de 50% da água captada.

O setor offshore e marítimo também utilizam água para seus processos internos e consumo humano. Grande parte dela é captada na concessionária de água em terra e transportada por navios até as plataformas de petróleo. O Grupo Vicel, empresa de Rio das Ostras, em parceria com a empresa norte-americana Aqua-Chem Incorporated, formalizaram a criação de uma Joint Venture denominada Aqua-Chem do Brasil. Através dessa parceria, oferecem equipamentos de geração de água potável e industrial para navios e plataformas de petróleo offshore, a partir da dessalinização da água do mar pelo processo de osmose reversa. Os equipamentos produzidos pela empresa podem gerar até 300 mil litros de água potável por dia.

De acordo com o Gerente Técnico do Grupo Vicel, Thadeu Paravidino, a dessalinização da água do mar é muito utilizada também em regiões onde a água potável é escassa ou de difícil acesso, como no Oriente Médio, na Austrália e no Caribe. “Em navios transatlânticos, navios de guerra e submarinos, a dessalinização é comum desde a década de 60. Algumas vezes, o processo produz sal de cozinha como subproduto. A dessalinização da água do mar ou salobra dos açudes e poços se apresenta como uma das soluções para a humanidade vencer mais esta crise que já se pronuncia”, afirma.