Conferência promove integração da defesa civil

A integração de órgãos e de municípios, visando a prevenção e respostas rápidas a desastres, foi discutida na 1ª Conferência Intermunicipal de Proteção e Defesa Civil. Os debates ocorrem ao longo desta terça-feira (25/02), no campus da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Outro objetivo do encontro, que reuniu representantes de 10 municípios da região, é elencar sugestões e necessidades que serão apresentadas na etapa estadual.

O evento reuniu as forças que estão diretamente envolvidas no atendimento de sinistros, como os Bombeiros, Polícia Militar, Exército, Guarda Municipal, Força Verde e núcleos e coordenadorias municipais de Proteção e Defesa Civil.  Além disso, participaram órgãos de apoio ligados ao poder público, conselhos profissionais, comunidade científica, sociedade civil e organizada.

Pela parte da manhã, estavam previstas as palestras “Campanhas Cidades Resilientes, ministrada pelo tenente coronel Edemilson de Barros, coordenador executivo de Proteção e Defesa Civil no Estado do Paraná e “A Defesa Civil Municipal”, a cargo do major Hemerson Saqueta, comandante do 4º Subgrupamento de Bombeiros Independente (SGBI). Já o capitão Régis Roberto Gonçalves, subcomandante do 4º SGBI, falou sobre a 2ª Conferência Nacional de Proteção e Defesa Civil.

O major Saqueta, que presidiu a conferência intermunicipal, afirma que a defesa civil busca integrar cada vez mais os municípios, órgãos e diversos setores ligados à temática. “Um prefeito que retira moradores de áreas vulneráveis, que reforma uma ponte ou elabora um plano diretor que protege o meio ambiente, está minimizando riscos e contribuindo com a defesa civil”, exemplifica. “Os projetos devem ser encaminhados pelos municípios antes que os desastres aconteçam, garantindo recursos para obras que minimizem os riscos”, completa.

Outro objetivo da conferência, conforme Saqueta, é tornar os sistemas de proteção e defesa civil mais conhecidos pela população. “Os sistemas devem respeitar as peculiaridades de cada região. As possibilidades de atuação são abrangentes, não se restringindo apenas a casos de desastres naturais, mas em outras situações como de miséria e até de criminalidade exacerbada. A nossa missão é minimizar o sofrimento das comunidades”, afirma o comandante do Corpo de Bombeiros em Apucarana.

EIXOS TEMÁTICOS – Pela parte da tarde, os trabalhos continuariam com a discussão de quatro eixos temáticos: gestão integrada de riscos e resposta a desastres, integração de políticas públicas, gestão do conhecimento e promoção de uma cultura de proteção e defesa civil. “A conferência escolherá 10 delegados e indicará 10 princípios e 30 diretrizes que serão apresentados na etapa estadual, que ocorre entre os dias 10 e 11 de abril, em Curitiba”, afirma Ana Maria Schmidt, presidente do Conselho Comunitário de Segurança (Conseg), que, junto com o 4º RGBI e a Prefeitura de Apucarana, organizou a conferência.

O prefeito Beto Preto, que está em viagem a Brasília, foi representado no evento pelo procurador jurídico, Paulo Vital, e pelo secretário interino do Meio Ambiente, Éwerton Pires. Também estiveram presentes na abertura dos trabalhos o prefeito de Novo Itacolomi, Roberto Munhoz (Polaco da Pá), a vereadora Aurita Bertoli,  representando o Legislativo de Apucarana, tenente coronel Aimoré Nunes Moreira, comandante do 10º Batalhão de Polícia Militar (BPM), professor Aloysio Gomes de Souza Filho, diretor do campus da UTFPR e Ataíde Pantaleão da Silva, comandante da Guarda Municipal, além de um grupo de alunos da Escola de Formação de Policiais Militares e de outras autoridades civis e militares.