Audiência pública aprova proposta de fiscalização eletrônica

A audiência pública realizada ontem (16), no salão nobre da prefeitura, foi marcada por um consenso entre as pessoas que manifestaram sua opinião. Por unanimidade, todos afirmaram ser favoráveis à proposta da administração municipal em adotar fiscalização eletrônica de trânsito na cidade. Não faltaram sugestões, em especial aos locais para a instalação dos equipamentos para disciplinar a circulação de veículos na cidade e, como conseqüência, reduzir o número de acidentes e mortes.

Conforme dados levantados pelo Instituto de Planejamento, Pesquisa e Planejamento de Apucarana (Idepplan), as estatísticas justificam medidas que venham trazer mais segurança no trânsito na área urbana. Conforme explanação do vice-prefeito, em 2012 foram registrados 1140 acidentes, provocando a morte de 16 pessoas e deixando 584 feridos. Os dados de 2013, no entanto, ficaram restritos, aos três primeiros meses do ano. Entre janeiro e março aconteceram 295 acidentes, duas mortes e 127 feridos.

Para embasar a proposta de adoção de fiscalização eletrônica, Júnior da Femac apresentou um levantamento das vias como maior número de acidentes entre julho de 2012 e março de 2013. A campeã é a Avenida Minas Gerais, com 127 ocorrências, seguida da Avenida Curitiba (80), Avenida Governador Roberto da Silveira (63), Avenida Munhoz da Rocha (42), Avenida Ponta Grossa (39), ruas Gastão Vidigal e Nagib Daher (20 cada), Praça Rui Barbosa (18), Padre Severino Ceruti (17), e Rua Nova Uckânia (15).

Já os cruzamentos mais perigosos têm na liderança dois pontos da Avenida Governador Roberto da Silveira: os que cortam as ruas Urânio e Cristiano Kusmaul, respectivamente com 8 e 7 acidentes, também dentro do período de julho de 2012 a março de 2013. A proposta do Idepplan é instalar três diferentes tipos de fiscalização eletrônica na cidade, entre radares, lombada eletrônica e controle de semáforo. Esta última detecta veículos que furam o sinal vermelho (Furão).

PONTOS DE FISCALIZAÇÃO

Foram apresentados também os 13 pontos da cidade que, por sugestão da prefeitura, seriam os mais indicados para receber os equipamentos, sendo 5 deles na extensão da Avenida Minas Gerais, 2 na Avenida Governador Roberto da Silveira, 2 na Avenida Brasil,1 na Avenida São João, 1 na Avenida Mato Grosso, 1 na Rua Manoel Pereira e um Rua Cristiano Kusmaul.

Para cada local foi definido o equipamento mais adequado, dentro da finalidade de trazer mais segurança no trânsito. A lombada eletrônica, por exemplo, seria instalada em dois pontos da Avenida Minas Gerais, após a entrada do Contorno Sul e na entrada da Fecea, bem como na Avenida Brasil, próximo ao residencial Araucárias, e na Avenida Governador Roberto da Silveira, na altura da Avenida Alcides Plácido de Oliveira.

Já na Avenida Minas Gerais, nas proximidades da Multividros, a proposta é instalar um radar. Os equipamentos que registra os motoristas que avançam no sinal vermelho (Furão) e param sobre a faixa de pedestre têm previsão de instalação na Avenida Minas Gerais, perto da Fiat Marajó; na Avenida Mato Grosso, na altura do Muffato: na Avenida Brasil, entrada do Núcleo Habitacional Afonso Camargo; e ainda na Rua Cristiano Kusmaul, perto do Fujiwara.

Outros três pontos devem receber simultaneamente os três tipos de fiscalização (radar+furão+faixa): Avenida Minas Gerais, próximo ao Posto Matrix e ao Muffato, e Avenida Governador Roberto da Silveira, na região do Fujiwara. “Estamos aqui para ouvir de vocês se vale a pena ou não instalar os equipamentos de fiscalização eletrônica de trânsito e se os locais são adequados ou não”, afirmou o vice-prefeito e diretor presidente do Idepplan, Júnior da Femac, durante a explanação do estudo realizado pelo Idepplan.

OPINIÕES

“Sou totalmente favorável a instalação de fiscalização eletrônica. É uma proposta válida. Parabenizo a prefeitura pela iniciativa”, afirmou o diretor da Fecea e membro do Observatório Social de Apucarana, professor Rogério Ribeiro. “Apucarana tem que ter uma fiscalização mais rigorosa para disciplinar o trânsito”, disse o agente educacional do Colégio Estadual Nilo Cairo, Eduardo Almeida. Maria Cota Filho, presidente da Associação dos Moradores do Núcleo Habitacional Adriano Correia, por sua vez, lembrou os longos anos de luta dos moradores do bairro para aumentar as condições de segurança de acesso ao bairro. “O ideal seria uma rotatória, mas a proposta de uma lombada eletrônica vai ajudar muito”, avaliou.

Júnior da Femac destacou que as sugestões apresentadas na audiência, como a inclusão de radar móvel entre os equipamentos de fiscalização, serão analisadas pela equipe do Idepplan e já anunciou a realização de uma segunda audiência pública para voltar a debater o assunto, em data a ser definida. O prefeito Beto Preto deu ênfase ao real objetivo da fiscalização eletrônica. “Em momento nenhum se colocou isso com objetivo de arrecadação. Nossa idéia e disciplinar o trânsito e salvar vidas. Precisamos diminuir o número de acidentes e dar um valor maior ainda para vida humana. Esperamos que esse monitoramente possa nos ajudar a inibir aquele motorista um pouco mais veloz a desempenhar a velocidade que gostaria pelo menos dentro do perímetro urbano”, observou Beto Preto.