SIVALE BUSCA NEGOCIAÇÃO SALARIAL PARA BENEFÍCIO DO SETOR DO VESTUÁRIO DA REGIÃO

Preocupado com o momento atual da cadeia produtiva do vestuário da região, o Sindicato das Indústrias do Vestuário de Apucarana e Vale do Ivaí (SIVALE), está desde o dia 24 de setembro negociando o novo acordo coletivo para os colaboradores do setor.

A data base da categoria do vestuário é 1º de setembro. A primeira proposta do SIVALE para o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Vestuário de Apucarana e Região (STIVAR) foi o índice da inflação mais 1%, que daria em torno de 7,08%. A diretoria do STIVAR não aceitou. Com isso o SIVALE propôs 8,50% linear para todos os empregados, o que representar quase 40% acima da inflação do período.

As entidades sindicais de Maringá e Cianorte já fecharam os novos acordos com reajustes de 8% e 8,50%, respectivamente. As duas cidades, tal qual Apucarana são grandes polos de confecção do vestuário, sendo que nossas indústrias, diferentemente das acima citadas, estão voltadas precipuamente para a confecção de acessórios, tendo como principal produto o boné.

Os empresários, que há muito tempo sofrem com a concorrência dos produtos importados, estão cada vez mais acuados, com os baixos índices de produtividade, a alta carga tributária e pelos elevadíssimos encargos trabalhistas.

A maioria das empresas de confecção de Apucarana são faccionistas das grandes marcas, dos grandes magazzines e do mercado promocional. Com a já citada concorrência dos importados, principalmente produtos chineses, se obrigam muitas vezes a trabalhar com margens extremamente reduzidas o que impossibilita a capacidade de investimento e geração de novos postos de trabalho.

“Nossa realidade inflacionária atual é diferente do passado. A negociações trabalhistas não podem mais se sujeitar a aumentos irresponsáveis e irreais, pois o mercado não aceita mais repasses para os preços como se fazia antigamente. Ainda assim, o SIVALE está propondo em torno de 40% a mais que o índice da inflação, o que significa um aumento de 8,5% sobre todos os salários. O SIVALE está disposto a fechar imediatamente o acordo salarial, para que antes das festas natalinas todos os empregados já tenham recebido seus salários, 13º e eventuais diferenças salariais com o aumento proposto. Precisamos nos preocupar com a manutenção dos empregos. Empresa, emprego e empregado são o tripé de sustentação do município, do estado e do país”, afirmou o Empresário do setor, Marcelo Gabardo.

Para o SIVALE  a demora em fechar a proposta salarial traz prejuízos para todos os componentes da categoria tanto patronal quanto laboral.

“No mês de outubro orientamos as empresa a fazerem uma antecipação salarial compensável de 6% para dar uma garantia ao colaborador e consequentemente não pesar para a empresa pagar a diferença depois do fechamento da negociação. Muitas empresas fizeram este acordo e algumas delas estão aguardando o fechamento”, explicou a presidente do SIVALE Maria Abigail Fortuna.