Rede de serviços é capacitada para atender casos de violência contra a mulher

Servidores municipais que atuam no atendimento da população e representantes de diversos outros órgãos que compõem a Rede de Atenção à Mulher em Situação de Violência participaram nesta segunda-feira (11/11) de uma capacitação.  A palestra ocorreu no auditório do Colégio Estadual Nilo Cairo e foi ministrada pela tenente da Polícia Militar do Paraná, Luci Belão, que destacou a necessidade de fazer o enfrentamento da problemática a partir da articulação dos serviços existentes. O evento também marcou o lançamento dos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher, que acontecem de 20 de novembro a 10 de dezembro.

A tenente da PM, que é especialista em impactos da violência na saúde pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), palestrou sobre a Rede de Atenção à Mulher em Situação de Violência. “Esse assunto (da violência contra a mulher) não é só com a segurança. Envolve questões sociais, de saúde, educação, entre outros. A comunidade também pode ajudar e, por isso, é necessário desenvolver um trabalho articulado com os diversos serviços existentes”, defende.

De acordo com Denise Canesin Machado, secretária municipal da Mulher e Assuntos da Família, em Apucarana a rede é formada pela Vara Criminal, Delegacia da Mulher, Instituto Médico Legal (IML), Hospital da Providência, Núcleo Regional de Educação, Centro de Atendimento à Mulher (CAM), Autarquia Municipal de Educação (AME), Conselho de Referência Especializado da Assistência Social (Creas), Conselho Tutelar e por diversos serviços oferecidos pela Autarquia Municipal de Saúde, como o setor de epidemiologia e os programas de Agentes Comunitários em Saúde, Estratégia Saúde da Família e Núcleo de Atenção,  Testagem, e Triagem de Apucarana  (Natta).

Denise afirma que a rede está sendo capacitada não apenas para enfrentar a violência sexual. “É qualquer tipo de violência, seja sexual, psicológica, física, patrimonial ou outra. Essas situações ocorrem, em sua grande maioria, dentro dos lares. A violência contra a mulher adoece toda a família e pode se perpetuar pela repetição de comportamentos através das gerações”, alerta, salientando que os profissionais também estão sendo treinados para encaminhar casos que envolvem a violência contra crianças e adolescentes.

Segundo Simone Sartori dos Santos, assistente social da Secretaria da Mulher e Assuntos da Família, o objetivo da capacitação é levar conhecimentos sobre a temática para que os profissionais envolvidos façam a escuta ativa, bem como os encaminhamentos e orientações pertinentes. “Primeiro, é necessário estar sensível ao o que é a violência para depois poder dar a devida orientação, fazendo a escuta ativa e encaminhando para o órgão ou serviço apropriado”, frisa.

ATIVISMO – Mundialmente, os 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher começam no dia 25, mas no Brasil esta data é antecipada para o dia 20. “Em Apucarana, seguiremos com atividades até o dia 10 de dezembro. Estão programadas palestras nos Cras, nas UBS, no Clube da Sabedoria, no Centro de Oficinas da Mulher e em algumas escolas da rede municipal de ensino. Vamos também desenvolver, entre outras atividades, a campanha do laço branco, que consiste no engajamento e na sensibilização do homem pelo fim da violência contra a mulher”, cita Denise Canesin Machado, secretária municipal da Mulher e Assuntos da Família.

PRESENÇAS – A capacitação voltada para profissionais da Rede de Atenção à Mulher em Situação de Violência reuniu ainda os  secretários municipais de Governo (Petrônio Cardoso), Fazenda (Marcelo Machado), Educação (Fernando José de Freitas), Agricultura (João Carmo da Fonseca) Esportes (Dione Gaspar), além da presidente do Conselho Comunitário de Segurança (Conseg), Ana Maria Schimidt, da presidente da Câmara da Mulher Empreendedora, Sueli Carmona Dias,  da representante do Núcleo Regional de Educação, Miriam Carvalho da Silva, e do capitão Israel, que representou o comando do 10º Batalhão de Polícia Militar (BPM).